Concurso “Ciência na Escola”

Ciência na Escola 2016/2017

Os nossos jovens cientistas foram apurados, novamente, para a final da 14.ª edição do concurso “Ciência na Escola”, promovido pela Fundação Ilídio Pinho.

A nossa vida atual encontra-se completamente dependente da energia elétrica, sendo que, apenas quando existe um “apagão”, as pessoas se dão conta do quanto necessitam da mesma. O problema é que o nosso Planeta está a pagar uma fatura demasiado elevada desta dependência que o ser humano criou. Por isso, se todos os habitantes tivessem oportunidade de proteger um pouco a casa de todos nós, a Terra, seria um passo muito grande para aumentar a esperança de vida dos que nela habitam.

Com esta preocupação em mente, o Colégio de Lourdes, no presente ano letivo, concorreu à 14ª edição do Projeto “Ciência na Escola”, promovido pela Fundação Ilídio Pinho, sendo que os nossos jovens cientistas foram, uma vez mais, apurados para a final. O projeto em causa, subjacente ao lema “Semear, plantar e poupar para o Planeta ajudar”, pretende colocar os alunos em contacto direto com a natureza, uma vez que a nossa instituição de ensino possui agora melhores recursos, nomeadamente uma estufa com cerca de 170 m2, com sistema de rega já implementado, fruto do trabalho desenvolvido no ano anterior no âmbito de “Ciência na Escola”.

Com esta iniciativa, pretende-se proporcionar aos alunos atividades que lhes permitam semear, tratar, plantar e, posteriormente, colher diversas plantas, promovendo assim a articulação entre a teoria da sala de aula e a prática da investigação na Horta Pedagógica.

Para além dos procedimentos a ter em conta nos atos de semear e plantar, é igualmente muito importante promover a aquisição de hábitos de poupança energética que, por sua vez, também contribui de forma muito significativa para a sustentabilidade do nosso Planeta.

Neste sentido, os alunos serão envolvidos na monitorização energética do Colégio, de forma a verificar os consumos e propor alternativas que promovam a minimização dos gastos de energia.

Relativamente às parcerias para desenvolver este projeto, contamos com a cooperação da “Foundation for Environmental Education”, desenvolvido em Portugal desde 1996 pela ABAE, da Eco-Escolas, da Quercus e da empresa Pierenergy – Eficiência Energética, Lda.

 

Ciência na Escola 2015/2016

 

Os nossos jovens cientistas foram apurados para a final da 13.ª edição do concurso “Ciência na Escola”, promovido pela Fundação Ilídio Pinho.

Movidos pelo tema “Ciência e Tecnologia ao serviço de um mundo melhor” O Colégio concorreu com o projeto, LABORATORIUM BIOTECNOLÓGICO, que pretende desenvolver uma horta pedagógica que permita aos alunos intervir e acompanhar todos os processos, desde o preparar o terreno, semear, plantar, cuidar, colher, até ao consumo dos produtos biológicos desenvolvidos. Também deseja desenvolver um bosque onde se vão plantar diversas árvores de frutos secos, como castanheiros, nogueiras, entre outras.

A horta será criada e dinamizada pelos alunos sob orientação do professore responsável, Paulo Gonçalves. A mesma será construída do nada, começando-se por preparar o terreno, de seguida, será marcada a área destinada a cada tipo de plantação, proceder-se-á à instalação do sistema de rega automático e da iluminação, alimentados por um painel fotovoltaico e também à edificação de uma estufa associada a um sistema de monitorização da humidade e temperatura com sensores da Texas, ou outro tipo de monotorização (por exemplo, sensores ligados a circuito elétrico com comunicação wirless, recorrendo ao <<Program the Sense HAT>> da Astro-Pi).

Relativamente às parcerias para desenvolver este projeto, pretendemos contar com a cooperação da Câmara Municipal de Santo Tirso, mais especificamente com a colaboração mais direta do Engenheiro Tiago Lima, com a Texas Instruments ou a Astro-Pi, com um programa internacional da “Foundation for Environmental Education”, desenvolvido em Portugal desde 1996 pela ABAE, a Eco-Escolas, com a Quercus, com a Escola Conde São Bento e com a Quinta da Azenha.

Com este projeto, Laboratorium Biotecnológico, permitiremos aos nossos alunos um contacto mais direto com a Natureza, na medida em que acompanharão todo o processo referente à implementação da horta e do bosque e terão o privilégio de semear, plantar, tratar, e por fim, recolher o que a natureza nos pode dar de mais importante, sem utilização de agentes químicos que alteram os produtos. Ligada a este acompanhamento encontram-se também a tecnologia e a ciência no que diz respeito ao estudo das melhores condições para que ocorra um crescimento sustentável dos produtos. Trata-se assim de um Laboratório Real rico em experiências que articulam a ciência e a tecnologia com a educação.

No âmbito deste projeto, o Colégio participou na 6ª Edição da ‘Semana da Reflorestação Nacional’, que, este ano, decorreu entre os dias 20 e 27 de novembro.
Durante essa semana, o colégio celebrou o Dia da Floresta Autóctone, dedicando um dia da semana à defesa e promoção das espécies autóctones.